Design emocional no turismo: como tornar o comum em extraordinário?

Já se perguntou como tornar seu serviço mais atrativo? Como sair do lugar comum para ser extraordinário? Você sabe o que é design emocional e como pode ser aplicado no turismo?

Com a concorrência cada vez mais acirrada, as empresas precisam buscar novas formas de ser tornarem mais atrativas para competir e sobreviver no mercado e o Design emocional pode ajudar neste cenário.

Já falamos aqui no blog sobre a importância do design no turismo, mas neste post vamos trazer uma definição sobre o que é Design Emocional, qual a sua importância, suas origens e como aplicar no turismo, ou seja, vamos falar de como tornar o comum em extraordinário por meio do Design Emocional.

O que é Design Emocional?

O Design emocional é a área do design que começou a ser discutida no final da década de 1990 e tem como objetivo projetar emoções nos usuários, ou seja, despertando ou evitando determinadas emoções.

É certo que o design sempre exerceu influência na maneira como as pessoas se “emocionam” com os produtos-serviços, mas sem a certeza de qual emoção irá despertar nos usuários.

Dessa perspectiva, os projetos de design emocional poderiam ser exemplificados por uma luminária para despertar alegria no usuário; uma suíte, para despertar inspiração por meio do ambiente ou um serviço para despertar a satisfação.

Um bom exemplo da aplicação do design emocional é o Hotel Eden, localizado em Taiwan, que oferece aos hóspedes a experiência de se tornar o Batman ou ainda de o rei da selva. O hóspede poderá ter em sua batcaverna uma mesa de jantar em formato de batmóvel, uma batcama, com um batespelho, um batchuveiro, entre outras bat-coisas.

  • SUÍTE COM DECORAÇÃO DO BATMAN

Mas o que é emoção?

Podemos definir emoção quanto aos seus:

  • Aspectos fisiológicos (Sensação e percepção);
  • Aspectos cognitivos (Processamento da informação, compreensão)
  • Aspectos afetivos (inconsciente) e
  • Aspectos de pré-disposição de comportamento (Sentimento).

Resumindo tudo isso, uma definição de emoção consiste numa variação psíquica e física, desencadeada por um estímulo.

Por que o design emocional é importante?

Sabe-se que a funcionalidade de um produto ou serviço não é o suficiente, tem que haver algo a mais, algo que envolva as emoções. Isso porque, o consumidor é totalmente orientado pela emoção na hora de adquirir determinado produto-serviço (ou não).

Pode-se afirmar que as emoções cada vez mais ganham  espaço, pois o consumidor compra experiências, histórias e sentimentos. No turismo, o design de emoção tem sido considerado fator de extrema importância para a prestação do serviço já que as emoções podem ser usadas como uma forma de fidelização do cliente devido a experiência emocional vivida pelo hóspede.

Conforme explica Gândara et al. (2009, p. 187):

“o turista contemporâneo deseja deslocar-se para destinos onde possa mais que contemplar, viver e emocionar-se, ser o personagem da sua própria viagem. Ele anseia envolver-se nas experiências”. 

Com isso, a geração de emoções por meio de experiência projetadas nos serviços reforça a lealdade dos clientes aumentando o valor percebido, ou seja, os mesmos estarão dispostos a pagar mais caro devido a experiência vivenciada em sua estadia.

Como aplicar o design emocional no turismo?

O design emocional pode ser aplicado de diferentes formas no turismo. Além do exemplo do hotel com suítes diferenciadas, a oferta de pacotes de experiência também é uma opção de diferenciação.

Ao oferecer experiências, o hoteleiro inova as vivências dos tradicionais pacotes promocionais, com propostas que buscam encantar e fidelizar visitantes, através dos sentidos.  Citamos como exemplos os de pacotes de experiência que ajudamos a lançar em Bombinhas para clientes hoteleiros, o pacote de experiência de Aventura, Romântica, Gastronômica com direito a personal chef preparando pratos exclusivamente para o casal. Quer experiência melhor?

Com design, criatividade e ousadia é possível inovar produtos-serviços e se diferenciar no mercado.

Quer saber como podemos te ajudar com experiências melhores? Entre em contato 😉

Fontes de pesquisa: Gândara, J. M. G., Gimenes, M. H. S. G., & Mascarenhas, R. G. (2009). Reflexões sobre o Turismo Gastronômico na perspectiva da sociedade dos sonhos. In Panosso Netto, A.; Ansarah, M. G. (Org.). Segmentação do mercado turístico – estudos, produtos e perspectivas. Barueri: Manole.

Consultora e Designer estratégico na Features Design. Foi professora de Marketing e Mídias sociais nos Cursos de Publicidade e Propaganda e Produção Multimídia no IFSC. Apaixonada por café, design e tudo que se relaciona a estratégia empresarial.

Comments

comments

Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *